close

  • Ser fiel à minha Pátria, a República da Polônia

     

  • ACONTECIMENTOS

  • 25 Janeiro 2019

    27 de janeiro, o aniversário da libertação do campo de concentração nazista alemão Auschwitz-Birkenau, marca o Dia Internacional de Homenagens em Memória das Vítimas do Holocausto, oficialmente proclamado pela Assembleia Geral da ONU em 2005.

     

    O antigo campo de concentração de Auschwitz-Birkenau continua a ser um dos símbolos mais importantes da recordação do Holocausto. Juntamente com milhares de sepulturas, monumentos e locais memoráveis em todo o mundo, é um testemunho dos crimes atrozes e um tributo às suas vítimas.

     

    O primeiro transporte chegou a Auschwitz em 14 de junho de 1940. Era composto de presos políticos poloneses. A decisão de transferi-los para Auschwitz foi ditada por prisões em massa de poloneses e a resultante superlotação de prisões na Polônia ocupada pelos alemães.

     

    Dois anos depois, o campo tornou-se um dos centros utilizados para a implementação da Endlösung der Judenfrage (a "solução final para a questão judaica") - o plano nazista de assassinar judeus que habitavam as áreas ocupadas pela Alemanha nazista. O campo de Auschwitz-Birkenau foi onde 1 a 1.5 milhões pessoas foram assassinadas, um milhão delas judias. Muitos eram cidadãos da República da Polônia. O terror também reinou em centenas de outros campos de concentração em toda a Alemanha, estados aliados do Eixo e em áreas ocupadas por eles, em guetos, bem como durante execuções realizadas nas ruas de muitas aldeias e cidades europeias. Estima-se que 6 milhões de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial. O campo de concentração de Auschwitz-Birkenau foi libertado em 27 de janeiro de 1945, depois que o Exército Vermelho entrou na Polônia ocupada.

     

    A morte de milhões de judeus será sempre uma vergonha para a humanidade. Depois da tragédia de proporções tão monstruosas, nossa fé na humanidade é restaurada pelas histórias de homens e mulheres, poloneses entre eles, que salvaram os judeus do Holocausto. Guiados por seu senso de solidariedade humana compartilhada, o Governo Polonês no Exílio e nossos milhares de concidadãos estiveram envolvidos na ajuda aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Deve ser lembrado que a punição por fazê-lo na Polônia ocupada pelos alemães foi a pena de morte. Os poloneses representam o maior grupo entre os Justos Entre as Nações, título outorgado pela Autoridade de Memória dos Mártires e Heróis do Holocausto de Yad Vashem. Operando sob os auspícios do governo polonês no exílio, o Conselho de Ajuda aos Judeus "Żegota" era a única organização estatal na Europa ocupada estabelecida especificamente para salvar judeus.

     

    Também diplomatas poloneses estavam envolvidos na salvação dos judeus. Graças às operações do chamado Grupo Ładoś, centenas de judeus da Holanda, Polônia, Alemanha, Áustria, França, Eslováquia e outros países europeus foram salvos da morte em 1942-1943.

     

    Trad.: Embaixada da República da Polônia em Brasília

     

     

    Print Print Share: