close

  • Ser fiel à minha Pátria, a República da Polônia

     

  • ACONTECIMENTOS

  • 17 Setembro 2018

    No dia 17 de setembro de 1939, as tropas soviéticas invadiram a Polônia cumprindo as provisões de um anexo secreto ao Pacto Molotov-Ribbentrop, assinado pelo Terceiro Reich alemão e a União Soviética em 23 de agosto de 1939. O acordo soviético-alemão exigia a divisão do território da Polônia entre os dois estados totalitários. A União Soviética comprometeu-se a apoiar a Alemanha em suas operações militares contra a Polônia.

    O pretexto para a invasão soviética da Polônia foi o reconhecimento pelo governo soviético da inexistência do estado polaco após a invasão da Polônia por parte da Alemanha e a expectativa de que o governo polaco se afastasse de Varsóvia. Ao fazê-lo, as autoridades soviéticas declararam que o pacto de não agressão polaco-soviético de 1932, um acordo bilateral então vigente, seria nulo e sem efeito. Na realidade, até 17 de setembro, as autoridades polacas supremas ainda estavam no território nacional, e o presidente Ignacy Mościcki declarou no seu discurso que a operação soviética era um ato de agressão. As operações soviéticas foram, sem dúvida, uma violação do acordo bilateral polaco-soviético e do direito internacional.

     

     

    As tropas soviéticas enfrentaram resistência do lado polaco em Vilnius, Hrodna, Lviv e em outros lugares. Nessas cidades, como em todas as voivodias orientais da Segunda República Polaca, ocorreram muitos atos de violência soviética contra prisioneiros de guerra polacos e contra a população civil. A fim de justificar que a invasão foi feita para proteger a população bielorrussa e ucraniana, as autoridades soviéticas encorajaram abertamente os representantes dessas nacionalidades a empreender ataques contra os polacos.

     

     

    Com as tropas regulares do exército soviético, chegaram unidades especiais da NKVD, cujo papel era eliminar as estruturas estatais polacas e um potencial movimento de resistência. Para este fim, prisões e execuções em larga escala de membros da sociedade em posição mais elevada foram realizadas nos territórios ocupados pelos soviéticos. A maioria dos oficiais do Exército polaco foi levada em cativeiro pelos soviéticos e tornou-se vítima do crime de Katyn, violando os costumes e convenções de guerra. Centenas de milhares de polacos foram deportados para dentro da União Soviética (principalmente para a Sibéria e o Cazaquistão). Como os soviéticos haviam repetidamente declarado, suas operações eram destinadas a eliminar o estado polaco e incorporar as terras ocupadas ao estado soviético.

     

     

    A invasão soviética da Polônia acelerou a decisão do governo polaco de se retirar do país na noite de 17 de setembro de 1939. Isso levou à organização das estruturas estatais e militares da República da Polônia no exílio liderado pelo presidente Władysław Raczkiewicz. A continuidade das instituições foi assim preservada, permitindo que as Forças Armadas Polacas continuassem a lutar no extrangeiro.

     

     

    A derrota da Polônia na guerra defensiva de 1939 não pôs fim à luta em casa. Em face das repressões de ambos os ocupantes, já em 27 de setembro de 1939, foi formado o Serviço para a Vitória da Polônia (em polaco: Służba Zwycięstwu Polski). Estruturas clandestinas do movimento de resistência polaco tornaram possível a criação do maior estado secreto  na Europa. O resultado das operações de dois regimes totalitários criminosos levou à divisão da Polônia, abandonada sozinha na sua luta. Extermínios da população em larga escala nas terras polacas ocupadas seguiram e foram continuados até praticamente ao último dia da Segunda Guerra Mundial em 1945.

     

     

    A Segunda Guerra Mundial foi um dos períodos mais traumáticos da história da Polônia. Suas consequências continuam a exercer um grande impacto sobre a política externa polaca. Apesar de terem passado 79 anos sobre o setembro de 1939, a nação polaca continua a desempenhar o papel de guardião especial da memória desses eventos. A guerra que começou na madrugada de 1 de setembro de 1939, com a invasão do Terceiro Reich alemão à República da Polônia, foi o conflito mais bárbaro e genocida da história do mundo. É incomparável tanto por conta das dezenas de milhões de vítimas, suas enormes perdas materiais, mas também por conta da completa quebra de todas as normas morais e éticas.

     

     

     

    Fot. 17.09.1939 - Agressão soviética à Polônia. Soldados alemães e soviéticos na linha de demarcação

     

     

     

     

    Print Print Share: